Textos

Carta para aquela que eu amo

pexels-photo-210642

Eu tentei entrar nessa de se jogar de cabeça em uma relação. Tentei me entregar sem ter medo das consequências. Tentei te dar o céu, o mundo, o meu mundo. O problema é que você sempre foi autossuficiente demais para querer qualquer pedaço que fosse de mim. Logo eu, que queria me doar inteiro, apaixonei-me por alguém que não está disposta a se entregar, nem que seja aos pouquinhos.

Entendo que você precisa ser forte. Que você tem essa necessidade de estar no controle da situação o tempo todo, como se precisasse provar alguma coisa para o mundo. Mas como li certa vez – não lembro onde – às vezes é preciso saber se curvar também, se não quebra. E se tem uma coisa que aprendi é que a verdadeira força não está no exterior. Não em olhares duros. Não em punhos cerrados. Não em uma postura rígida. Não, nunca no físico.

A verdadeira força encontra-se no nosso interior, meu amor. Na capacidade de atingir o fundo do poço e ainda assim conseguir se superar. Está em saber quando se doar, quando ceder, quando ir em frente e quando desistir. A verdadeira força está no ato e na coragem de amar incondicionalmente, mesmo que não seja recíproco. Mesmo que essa pessoa ofereça tão pouco. Mesmo que essa pessoa ache que não mereça.

Você tenta parecer rígida, inflexível, inabalável, mas eu sei que lá no fundo tem medo de sobra. Já faz um tempo que aprendi, aqueles que mais tentam parecer firmes por fora, geralmente são os mais sensíveis por dentro. É contraditório, amor, eu sei disso. Mas espero que você saiba que aqui há um apaixonado incurável. Apenas esperando você se libertar de todas as amarras que te prendem e se jogar sem medo nesse labirinto que é o amor.

.

Me acompanhe também: Facebook | Instagram | Pinterest | Bloglovin

0 Comments

  1. Quantas vezes nós não damos uma de durona certo? Eu mesma já fiz isso. Gostei muito dessa parte aqui: “às vezes é preciso saber se curvar também, se não quebra.”. Realmente, às vezes é preciso desaguar, se deixar abalar, ou então você se afoga. Bonito texto e ótima escrita.

    Até mais!
    Karolini Barbara
    womenrocker.blogspot.com

    1. Oi Karolini,
      era exatamente isso que queria dizer com essa frase! Fico feliz que tenha compreendido o significado dela. Li em um livro, porém não lembro qual, e adorei haha Acho até que tem um ‘provérbio’ japonês que diz algo parecido kkk
      Beijos e obrigada!

  2. Que texto incrível! mesmo eu nunca tendo estado num relacionamento, eu gosto de ler textos assim… Porque sempre acabo tirando alguma lição, não sei hehe. Como você disse, as vezes a gente precisa se abrir e não ficar com a máscara de inabalável; isso eu levo pra minha vida toda! <3

  3. Que texto mais amor ♥ Ter alguém em quem confiar é uma raridade sem tamanho. Temos medo do incerto e por isso vivemos jogando com os pés no chão e a cabeça sem imaginação. Mas como é bom poder flutuar num amor tranquilo (talvez nem tanto) e enxergar a tal luz no fim do túnel. Eu amei a carta, amei o texto.A força não vem do físico, nunca.

  4. Adorei o texto! Acho que ‘se fazer de durona’ faz parte da vida da gente uma hora ou outra. Quando a gente se machuca muito no caminho, vira uma espécie de auto-preservação. A gente esquece como é dar o coração sem medo pra alguém. Quando a gente encontra alguém assim no caminho, tem mesmo que insistir até a pessoa perceber que vale baixar a guarda. Quem desiste de primeira nunca ganha o melhor prêmio, né? ótimo texto!

    1. Oi Klécia, obrigada! Acho que é normal a gente erguer as barreiras e se ‘fazer de durona’, como você mesma disse. Quem nunca fez isso? Ainda mais depois que nos machucamos. Mas às vezes abaixar a guarda vale muito à pena.
      Beijos, obrigada pelo comentário!

  5. Ain, Kimby! Que texto maravilhoso! Confesso que me identifiquei em algumas situações em “relacionamentos” que tive. E é tão ruim quando a pessoa não quer se entregar e acaba fugindo. Eu já fiz isso, e me arrependo, um pouco. Enfim, amei o seu texto! Muito lindo, e você escreve super bem! Bjos, Blog Marinspira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *